As Asas da borboleta cegam?

As asas das borboletas cegam?


Por incrível que pareça essa é uma das curiosidades mais frequentes do borboletário. Para acabar logo com o suspense: as asas da borboleta não cegam. A princípio, se você já possui algumas décadas de vida, você já ficou com medo das asas das borboletas cegarem. Afinal, buscando preservar as borboletas antigamente, os adultos colocavam esse “medo”. Dessa forma, deixavam as crianças bem distantes desses seres tão encantadores. Porém, a preocupação tinha um motivo: as asas das borboletas são extremamente frágeis. Dessa forma, caso uma das asas quebrem, a borboleta morrerá em breve.  Mas você vai perguntar: o que é o pó que fica no dedo quando tocamos em suas asas? É tóxico? Para responder essa questão, você terá de entender a estrutura das asas das borboleta

A maioria das pessoas está familiarizada com os milhares espécies que existem. Afinal, as asas das borboletas costumam ser sua característica mais marcante. São centenas de formas, cores, texturas e padrões diferentes. Mas, você sabe como funciona uma asa de borboleta ou de que é feita?

Escamas das asas das borboletas no microscopio

Estrutura das asas da borboleta

As asas de borboleta fazem mais do que apenas facilitar o voo. Seus padrões e cores podem servir como uma forma de camuflagem ou mimetismo e as escamas finas nas asas mantêm o inseto isolado durante os meses frios. O formato especial das asas e escamas confere às borboletas seus padrões de voo característicos e uma surpreendente capacidade de manobra aérea. Afinal as asas da borboleta também atuam como uma espécie de dissipador de calor que os insetos usam para capturar a luz e aquecer seu corpo.

As asas da borboleta são compostas principalmente por finas camadas de uma proteína chamada quitina, a mesma proteína presente nos exoesqueletos e nas conchas duras de insetos e artrópodes. Cada uma das duas asas é dividida em duas partes, as asas anteriores superiores e as posteriores inferiores. Em ambos os lados das asas estão camadas sobrepostas de pequenas escamas também feitas de quitina. As escamas são responsáveis ​​por muitas das propriedades interessantes das asas: sua cor, iridescência e fluxo de ar ao redor da asa.

Você já visitou um borboletário? Venha ver as borboletas de pertinho

As escamas geralmente contêm pigmentos, substâncias que refletem comprimentos de onda específicos da luz. A concentração dos pigmentos é responsável pelas laranjas, marrons, pretos e brancos vistos nas asas das borboletas. Verdes, azuis e vermelhos geralmente não são criados por pigmentos, mas pela difusão da luz pela estrutura microscópica da própria escala. As escamas minúsculas têm cristas microscópicas que espalham a luz que entra, criando as cores brilhantes e iridescentes associadas às asas das borboletas. Por isso todos ficam tão encantados fotografar borboletas.

Asas das borboletas monarca no microscópio

Qual a função das asas?

As asas de borboleta desempenham inúmeras funções. Mais aparente, suas cores e padrões podem servir como camuflagem, um sinal de alerta ou uma forma de mimetismo. As borboletas podem usar suas asas para se misturar à folhagem de fundo para evitar predadores, e as cores brilhantes das asas podem desorientar ou sinalizar que o inseto é intragável. Em alguns casos, as borboletas evoluem para imitar a cor das asas e os padrões de espécies nocivas, enganando os predadores para que os deixem em paz.

Outra função das asas da borboleta é prender o calor e isolar o inseto. As minúsculas escamas nas asas absorvem o calor da luz, que regula a temperatura corporal do inseto. Mesmo uma pequena diferença na espessura da escala pode afetar drasticamente o quão bem eles absorvem o calor. Nesse sentido, as escamas de borboletas podem ser vistas como análogas ao cabelo de mamíferos.

As escamas das asas de borboleta também ajudam na sobrevivência. Elas são projetadas para se soltar facilmente, então, se a borboleta se enredar em um predador, ela pode escapar. Essas escamas reduzem drasticamente a quantidade de mortes de borboletas causadas por teias de aranha. Se espalham pela teia pegajosa, permitindo que o inseto se livre muito mais facilmente. Da mesma forma, tocar as asas de uma borboleta pode esfregar suas escamas, o que pode afetar negativamente o funcionamento das asas. Por isso, é sempre melhor não segurar as borboletas pelas asas.